[Resenha] Água para Elefantes: Sara Gruen

Água para Elefantes
Autora: Sara Gruen
Editora: Sextante
Ano de Publicação: 2010
N° de páginas: 336

Sinopse:


Desde que perdeu sua esposa, Jacob Jankowski vive numa casa de repouso, cercado por senhoras simpáticas, enfermeiras solícitas e fantasmas do passado. Por 70 anos Jacob guardou um segredo. Ele nunca falou a ninguém sobre os anos de sua juventude em que trabalhou no circo. Até agora.
Aos 23 anos, Jacob era um estudante de veterinária. Mas sua sorte muda quando seus pais morrem num acidente de carro. Órfão, sem dinheiro e sem ter para onde ir, ele deixa a faculdade antes de prestar os exames finais e acaba pulando em um trem em movimento - o Esquadrão Voador do circo Irmãos Benzini, o Maior Espetáculo da Terra.
Admitido para cuidar dos animais, Jacob sofrerá nas mãos do Tio Al, o empresário tirano do circo, e de August, o ora encantador, ora intratável chefe do setor dos animais.
É também sob as lonas dos Irmãos Benzini que Jacob vai se apaixonar duas vezes: primeiro por Marlena, a bela estrela do número dos cavalos e esposa de August, e depois por Rosie, a elefanta aparentemente estúpida que deveria ser a salvação do circo.
"Água para Elefantes" é tão envolvente que seus personagens continuam vivos muito depois de termos virado a última página. Sara Gruen nos transporta a um mundo misterioso e encantador, construído com tamanha riqueza de detalhes que é quase possível respirar sua atmosfera.

Jovens atores interpretando os filhos de Jacob Jankowki, no filme estrelado por Robert Pattison.
Comentários:

"Água para elefantes" é o primeiro livro que leio para um Clube de Leitura. Sim, acabei me engajando em um, que era um sonho antigo. De certa maneira, foi um livro que li "por obrigação" (não no aspecto negativo, por eu já iria lê-lo mesmo, só o coloquei na frente da minha lista). Para mim, não foi difícil me familiarizar com os anseios da velhice do personagem Jacob. Acho até que são sentimentos e sensações bem femininos. Não que o personagem seja efeminado, não é isso. Mas não me deixo de perguntar se o fato de ser uma mulher a responsável pela obra, não esteja relacionado.
Bem, não posso entregar muito porque as discussões mais acaloradas, deixarei para o dia do clube, mas acho que o mérito de Sara Gruen está em nos colocar em um dilema que deverá (ou pelo menos deveria) ser de todos nós: como nos comportar na velhice. A maior parte do livro são as memórias de juventude de Jacob. Ele lembra de seus sofrimentos e de suas alegrias, e de como foi parar onde parou. Mas ao voltar ao momento presente, suas reclamações estão ligadas a aspectos que não podem ser mudados (sua idade). Claro que existem muitos outros aspectos que poderiam e podem ser levantados aqui, mas deixo no ar a pergunta que talvez tenha me causado a maior reflexão para este livro: quem é o verdadeiro protagonista deste livro? Jacob e suas memórias de juventude, ou a velhice, que leva Jacob a repensar a vida que teve e a que tem?

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Faço parte das...

Google+ Followers

Networkedblogs

Views

HOTWords