Resenha: Quando Ela Se Foi - Harlan Coben

Voltei gente, pra variar vou ser do contra. Sou fã do Harlan Coben e deveria começar com o primeiro livro dele lançado por aqui. Mas vou falar do penúltimo que é também mais uma das aventuras do Myron Bolitar, o personagem mais famoso do Harlan.

Quando Ela Se Foi - Harlan Coben
256 Páginas
Editora Arqueiro
Série Myron Bolitar
Livro no Skoob

De que Valores Você Abriria Mão para Salvar Alguém que Ama? 
Um dos autores mais premiados e lidos no mundo, Harlan Coben traz uma nova história com o carismático Myron Bolitar em uma busca frenética por três continentes. Dez anos atrás, Myron Bolitar e Terese Collins fugiram juntos para uma ilha. Durante três semanas, eles se entregaram um ao outro sem pensar no amanhã. Depois disso, eles se reencontraram apenas uma vez, quando Terese ajudou Myron a salvar seu filho. E ela foi embora, sem deixar vestígios.Agora, no meio da madrugada,ela telefona:“Venha para Paris.” Terese pede a ajuda de Myron para localizar o ex-marido, Rick Collins, que telefonara depois de anos implorando que ela o encontrasse em Paris. Eles logo descobrem que Rick foi assassinado e queTerese é a principal suspeita do crime. Mas algo ainda mais atordoante é revelado: perto do corpo havia longos fios de cabelo louros e uma mancha de sangue que o exame de DNA revelou pertencer à filha do casal. Só que sua única filha morrera em um acidente de carro muitos anos antes. Logo Myron se vê perseguido nas ruas de Paris e de Londres. As agências de segurança de quatro países parecem querer as mesmas informações de que ele precisa para desvendar a morte de Rick e o destino da filha que Terese pensava ter perdido para sempre. Em uma busca desesperada, Harlan Coben cria um mundo de armadilhas imprevisíveis em que conflitos religiosos, política internacional e pesquisas genéticas se mesclam a amizade, perdão e a chance de um novo começo. 
Resenha

Com 50 milhões de livros vendidos no mundo e traduzidos para 40 idiomas, Harlan Coben é um dos fenômenos (duradouros) do romance policial. Como diz a orelha do seu livro, é o único autor a ter recebido a trinca de ases de ouro da literatura policial americana. Todos esses prêmios pelos livros da série do Myron Bolitar. Como fiel leitora do Harlan, posso dizer que os outros livros dele também são tão bons quanto. O apelido do autor na França onde também é adorado é “mestre das noites em claro”. Total verdade!

Em seu penúltimo livro sobre o Myron Bolitar, Harlan exagera na síndrome do sem fôlego. Não da pra viver depois que você engata nesse livro, simplesmente vai ter que terminar, gostando ou não, concordando ou não, você é dragado atrás do Myron até a última palavra. Daí vai sair satisfeito... Ou não.

Myron Bolitar é um ex–jogador de basquete que era uma grande promessa, praticamente um astro, até ter o joelho ferrado. Então ele se tornou agente de atletas e mais tarde também de celebridades em geral. Myron tem o grande problema de ser um herói nato, como diz o livro, ele tem síndrome de herói. Myron não consegue deixar pra lá, simplesmente tem que se envolver e cavar bem fundo no problema para salvar algue. Daí, só vem encrenca porque haja gente pra ele salvar.

No início do livro o Myron (e a gente também) é surpreendido por um telefonema da Terese Collins, um caso antigo e intenso que ele teve. Quem já acompanha os livros sabe muito bem de quem se trata. Encrenca na certa, né? Só que Terese volta ainda mais cheia de segredos, machucada e desesperada.

Venha para Paris. – É o convite dela. Simples, mas as primeiras palavras que ele ouve dela depois de 8 anos.

Acontece que Myron não consegue não socorrer alguém que precisa dele e Terese já o socorreu uma vez. Mas a vida seguiu, ele tem outra pessoa e resolve não ir. Tudo começa a dar errado no jogo de Jack, filho de sua atual namorada. Para proteger o garoto Myron se mete numa briga. A tal namorada viúva, sem dó nem piedade é uma verdadeira vaca e o deixa. Simplesmente, do nada, sem explicações e com uma desculpa que pra mim não foi suficiente.

É impossível falar do Myron sem falar do Win (que na verdade se chama Windsor Horne Lockwood III). Porque na minha opinião, ele jamais teria sucesso em suas missões e nem seria esse grande investigador sem o coadjuvante mais maneiro e presente do pedaço. Win é o melhor amigo de Myron, um cara podre de rico que parece um mauricinho, pois é loiro, esguio e bonito. Tudo fachada. Ele engana todo mundo pela aparência, pois o cara é barra pesada. Ele é um típico justiceiro solitário, adora acabar com a raça dos caras desgraçados que aparecem no meio dos casos do Myron ou cometem injustiças terríveis e tem a má sorte de atravessar seu caminho. Ah, e vale lembrar que ele é mulherengo que só! Pelo que nos é informado, nunca se apaixonou. Ainda espero um amor para o Win.

O livro fica ainda mais tenso quando viajamos para Paris. Mas dessa vez fica claro que Terese não está atrás de umas noites de amor. Ela precisa da ajuda de Myron e tem um segredo que vem a destruindo há anos. Myron acaba sendo atacado, perseguido pela polícia e se mete em algo que vai muito além da sua compreensão e que só sonharemos entender muito a frente quando já houvermos passado por Londres. A história segue e as mortes continuam, a tensão também, a dor e a esperança de Terese nos deixa pensando o que faríamos se estivéssemos no lugar dela. Não quero revelar o melhor da trama e os pontos inesperados e surpresas são o melhor das histórias do Harlan. Adoro quando alguém que você não esperava acaba aparecendo onde não devia.

Mas o Win... Sempre estou esperando pelas entradas triunfais dele! São muito boas! Agora eu só atendo o telefone que nem ele. A pessoa liga e ele atende com aquela sua voz de pura soberba e diz: Articule

A narração do Harlan não chega a ser tensa o tempo todo (só 90% do tempo!), esse livro ao menos não foi o mais tenso dele. Mas ela cria tensão em você, os fatos ficam na sua mente, você precisa saber e quando fecha o livro logo depois se pega pensando numa teoria para resolver um dos problemas, porque cada vez que você acha que está desvendando o mistério, outro aparece bem no meio ou alguma pista lhe tira do caminho. Harlan não é típico, mas suas histórias são típicamente o melhor do romance policial com tudo que tem direito. Já me vi em desespero com um livro dele na mão, devorando as páginas e rezando pro ônibus não chegar no trabalho (ainda mais no trabalho né, vamos combinar...). 

Enfim, nesse livro vamos acabar metidos em uma rede inimaginável de terrorismo planejado através da genética e de uma forma que eu fiquei passada. Em meio a tudo ainda há chance para surgir o amor sob as condições mais adversas. Win continua o máximo e ainda temos que lidar com os mistérios dos sumiços dos presos do governo americano... Dá pra se intrigar bastante. 

Não gosto de falar de finais, mas esse vai te deixar no inconformismo por querer mais. Porque vem outro livro logo na sequência. Mesmo que os casos dos livros do Harlan se resolvam dentro de cada livro, em relação ao Myron é diferente porque o caso se encerrou, mas a vida dele e os personagens como o Win, a Terese e os outros que fazem parte de sua vida, continuam. Assim como seus drama. E cara, todo mundo em volta do Myron tem vidas com dramas que merecem seus próprios livros. 

Recomendo para quem tem coração forte. E aviso logo, cuidado que vicia. Harlan Coben é um tipo de alucinógeno literário muito forte, que você fica esperando a nova dose com sinais de desespero e tende até a ter tremedeira enquanto segura o livro. Soube de casos de pessoas que tentaram morder quando alguém quis tirar o livro de suas mãos bem no meio do babado!

Fica a dica então, acompanhem o Harlan e o Myron (E o Win!).

8 comentários:

  1. Elii, postei a resenha desse livro hoje tbm ahahahahah
    vicia mesmo, nao conseguia parar de ler :P

    Beeeijão!

    ResponderExcluir
  2. Eu até gostei do livro, mas prefiro outros dele :X

    Adorei a resenha.

    Beijocas,
    Lariane - Leituras & Devaneios

    ResponderExcluir
  3. Hahahaha, "alucinógeno literário"... adorei!
    É exatamente disso que eu preciso, para falar a verdade. Gosto de leituras tensas porque são essas que nos deixam mais grudadas no livro! E pelo tanto que você disse a respeito desse autor e de suas conquistas, a curiosidade só aumentou :)
    Tem outros títulos dele que me chamaram muito a atenção, mas depois dessa resenha fica difícil segurar a vontade de ler esse primeiro... verei o que faço!

    Abraços,
    http://leitorasanonimas.com

    ResponderExcluir
  4. Ainda não li nenhum livro desse escrito , agora até me interessei!!

    Beijos Adorei o BLOG *.*

    amandhabella.blogspot.com

    ResponderExcluir
  5. Oi, Ainda não li nenhum livro do Harlan, principalmente porque dos policiais eu tenho quatro fechados do John Grisham que ainda não tive tempo de ler. Mas concordo com a Leitoras Anônimas, leituras tensas são ótimas rsrsrsrs

    Até^^
    http://www.natocacomacoruja.com

    ResponderExcluir
  6. Oiii!
    Ainda não li nenhum livro do Harlan, mas morro de vontade de ler! As sinopses são super interessantes e os livros parecem ter um ritmo muito bom!
    Adorei a resenha!
    Seguindo :)
    Bjoo ;*

    http://coisasdemeninasarteiras.blogspot.com/

    ResponderExcluir
  7. Poxa vida nunca li nenhum livro deste autor, mas, muita gente me fala super bem dele e depois de ler a sua resenha eu quero muuuito ler!
    Como a Neyla disse as sinopses são realmente muito interessantes e dão muita vontade de ler!
    Pode deixar que eu tenho o coração forte! Afinal eu leio Sthepen King! kkk'
    Adoro livros viciantes, portanto lerei!
    Um beijo ;*

    Juliana . Oliveira
    http://linhasdeencanto.blogspot.com/
    @Julymg2

    ResponderExcluir
  8. Nossa, amei a resenha!
    Eu tinha visto em outro blog, mas achei a sua mais empolgada. Me deu mais vontade de ler.

    Isso porque já estava com vontade de ler. rsrsrs...

    Bjos
    entreumlivroeoutro.blogspot.com

    ResponderExcluir

Faço parte das...

Google+ Followers

Networkedblogs

Views

HOTWords