[Resenha] 50 tons de Cinza: E. L. James!

Olha, eu relutei muito para fazer essa resenha. Relutei, deixei pra lá, disse que não ia falar nada, que ia ficar quieta, que já tinha resenha suficiente desse livro pelo blogsfera, e que uma a mais não ia fazer diferença. Mas aí, o mercado editorial brasileiro resolve encher as estantes do país com livros eróticos, tendo o mencionado livro citado no título como o grande carro chefe, trazendo consigo um batalhão de outros livros, onde a prática de BDS se alastra como camelô vendendo água em dias de calor. Pois bem... Como dizem que blogueiro que é blogueiro tem que dar sua opinião custe a quem custar, aqui estou eu, pronta para ser apedrejada, xingada e crucificada, por não ter gostado do tal 50 tons. É verdade que eu entrei na onda "Senhor Grey é o máximo, O senhor Grey é tudo, o Senhor Grey é gostoso, o Senhor Grey é rico"... Tudo isso juntamente com as minhas amigas na net, que na grande maioria das vezes, piram na batatinha, mas tudo numa boa, sem estresse... Eu levo na brincadeira o que tem que ser brincadeira. Pô, o tal senhor Grey (se ele existisse mesmo), teria uma aparência de fazer parar o trânsito, tanto é que a maioria dos fãs almejavam que Matt Bomer, o ator principal da série White Collar, fosse o escolhido para interpretar o Dominador mais famoso do mundo literário. Só por aí já dá para sentir o fascínio que a mulherada tem pelo gostosão literário do momento. Mas para mim, os elogios param por aí. No primeiro livro da trilogia, o cara apresenta uma personalidade no mínimo estranha, para os padrões de protagonistas que estamos acostumadas. Não vou ficar fazendo resuminho da estória, porque isso ia dar no no saco. Todo mundo envolvido em literatura sabe do que a estória trata. O intuito dessa pseudo-resenha é tentar entender porque algumas fãs dessa trilogia ficam tão raivosas quando começamos a criticar o livro. Veja bem, eu estou falando do LIVRO, e não das fãs. A tempos atrás saí em defesa de um grupo de fãs que foram achincalhadas num evento no Rio de Janeiro, por uma mediadora xiita, que faltou e muito com o respeito a essas leitoras, que tem todo o direito de gostar do tipo de literatura que lhe convém. Tanto é que não apareço em mais nada que é mediado por essa criatura.  Querer bancar a intelectual letrada em meio a literatura de entretenimento é subestimar demais a minha inteligência. Mas, voltando as fãs e ao seu fascínio pela trilogia, algumas meninas chegam a arrumar briga, excluir outras de bate-papos, e ainda se expor, trazendo a tona o que há de pior dentro delas. Claro que também já vi o contrário (como mencionei acima), mas não acho que nada disso sirva de justificativa para uma resposta tão sem noção por parte de algumas fãs. Isso aqui é ficção! Ninguém existe de verdade... A gente pode ficar puto da vida, espernear  babar, choramingar, que não vai adiantar: o cara não vai aparecer aí na sua rua, agradecendo porque você defendeu ele. Nem ele e nem a autora, que não tá nem ligando se tem gente que não curte a saga. Ela está adorando saber que seu livro (mal escrito ou não) está vendendo. Para ela, no final, é isso que importa! Não querendo ser cricri, mas já sendo, não vejo a hora dessa onda de eróticos acabar. O que eu quero mesmo é um romance históricos, daqueles com um protagonista libertino, e uma mocinha a frente do seu tempo. Clichê né? Pois é! Eu gosto! Mas não vou te meter a porrada que se você não gosta. Vou levando a minha vida na maré, preto no branco. Os 50 tons de cinza, eu deixo passar. 

Elimar 


22 comentários:

  1. Adorei sua resenha Elimar!!!
    O livro não é td isso (é mal escrito mesmo), o protagonista é esquisito (na melhor definição) mas é um gostosão, ricaço, sexy, bom d cama, etc.
    O q faz a mulherada aceitar as maluquices (principalmente ganhando d presente um Bentley - to dentro). E a mocinha é outra daquelas chatas.
    Ou seja.... GOSTEI !!!!
    Hahahaha, só posso dizer q leiam p c divertir.
    Vale.

    ResponderExcluir
  2. O que falar da sua resenha? Excelente! Tb sou mega fã dos históricos sensuais... Por isso gostei tanto de Gabriel, porque apesar de ser contemporâneo tem nunces super clássicas... Alguns desses eróticos até são ótimos, como na minha opinião a série de Gideon. Apesar do linguajar vulgar, que graças a Deus o livro do Gabriel não tinha. E como um mulher ajuizada mesmo que alguém fale mal de Gabriel irei aceitar. Não vejo o porque arrumar briga por causa de um personagem. Bela resenha!

    ResponderExcluir
  3. Nossa desabafou, hein Elimar. Sabe, no começo eu até que curti 50 tons e seus genéricos. Mas encheu a paciência tanto livro assim. 50 Tons predeu o fio da meada,na minha opinião, enquanto foi escrito. Não li 50 Tons de Liberdade, e nem tenho vontade. Adorei tudo que você falou expressou a opinião de muitas de nós. E vamos que vamos nos nossos romances que é mais jogo. bjs
    Eykler

    ResponderExcluir
  4. Adorei a resenha, só li todo o segundo livro, o 1º e o 3º de tão irritantes deixei de ler, affff realmente Christian Grey é o cara dos sonhos de muitas por aí, a Anastácia é uma songamonga irritante, a história é meio idiota apesar de ter cunho erótico, pense o multi milionário se apaixona pela mocinha sem graça e desajeitada... é sorte demais para uma pessoa, a autora enfeita demais as cenas e não diz pra que veio, o Christian e todo esquisitão, se irrita até porque Anastácia não quer comer huahuauhuahaua, apesar de ter o tema BDSM no meio, achei adolescente demais pro meu gosto.

    ResponderExcluir
  5. Respeito cabe em qualquer canto!
    Gostei das suas palavras!

    ResponderExcluir
  6. Elimar, mais uma vez adorei sua postagem!!! Acho um absurdo galera que discute "briga" por causa de ponto de vista diferente sobre um livro, cada um tem uma opinião e deve ser respeitada. Quem leu sabe... Chirstian tem SÉRIOS problemas psicológicos e realmente está longe de ser o mocinho.
    Bjs
    http://eternamente-princesa.blogspot.com.br/

    ResponderExcluir
  7. Na minha opinião acho quem surta com qualquer livro independente de ser 50 Tons ou não precisa urgente de terapia (surtar que falo é defendê-lo brigando com amigas ou mesmo ofendendo pessoalmente alguém, já fui vítima disso várias vezes, mesmo nunca ter atacado diretamente alguém, sempre quando critico é o livro em si)
    Como você bem disse no texto, o personagem não existe, e a autora está se fu... com a galera.

    Mas já que estamos falando de 50 Tons, acho que muitas que defendem o livro, as defesas são tão rasas quanto o conteúdo do livro, primeiro vangloriam que ele é rico, bonito e dá presentes, se isso caracteriza de homens bons, acho que muitas pessoas devem rever os seus conceitos.
    Para mim particularmente personagem ideal de livro masculino, em primeiro lugar apesar de tudo respeitar, admiro homens de livros românticos que admirem a mulher e não a usem como objeto ou a tratem igual a animal, se dá carro, macbooks, celular, um passeio de helicóptero, elas colocam a língua pra fora, abanam o rabinho e deitam de barriga pra cima, e pelo visto até o meu cachorro exigem muito mais que muitas mulheres por ai kkkkkkkkkkkkkkkkkk

    ResponderExcluir
  8. Bem, Eli, gostei da sua resenha e da sinceridade. Vou falar, me desculpe como estudante de Teoria Literária. Bem o marketing para este livro foi fundamental, mas eu discordo,se me dá licença quando dizem que o livro foi mal escrito. Porquê o que temos em mãos é uma tradução que sem sombra de dúvidas foi mexida ao ponto de se chegar há algo no mínimo digno de mercado. Enfim, eu li a trilogia não com estudiosa e sim como uma literatura de entretenimento onde as pessoas fizeram mais farol que o necessário. O apelo é totalmente mercadológico, e se os leitore respondem, enfim... Mas gostei muito de sua resenha.

    ResponderExcluir
  9. Muito bom você ter resolvido expor sua opinião, Elimar. Eu sou uma dessas pessoas que não gostou do livro. E o Mr. Grey é esquisito mesmo, mas é a ÚNICA coisa que salva os livros. Sem ele, essa mulherada toda enlouquecida e com os hormônios de volta a adolescência não ia achar esses baratos todos na chatinha que apanha do cara. (Sim, to falando exclusivamente dessas fãs loucas que querem matar alguém porque criticam um livro. Um livro, pelo amor de Deus).
    Adorei seu ponto de vista. Curto um romance com cenas hot. Mas cheguei ao meu limite com essas porcarias eróticas e idênticas que as editoras estão jogando na nossa cabeça e os leitores engolem que nem água no deserto sem ter o mínimo de consciência crítica. Eu li 50 tons em inglês e quando dei de cara com a tradução achei que a editora brasileira devia ser até processada por reescrevê-lo tão bem. Chamaram atenção pro gênero através de 50 tons, isso até foi legal, mas daí em diante estragaram tudo publicando os piores livros que tem no mercado. Essa é minha opinião, exponho e ser for contrária a de outros, é o que chamo de normalidade. Mas vou dizer sempre e nesse caso de forma bem xiita que se você acha que brigar, xingar, ofender e até cortar relações (já vi ameaças!) por causa disso é normal, você precisa se tratar.

    ResponderExcluir
  10. Sabe eu até que tentei ler o livro - confesso que o burburinho em cima dele era tanto que fiquei curiosa. porém se cheguei na página 20 foi muito.
    Não curti a escrita da autora (nem sei se dá para chamar ela assim) e depois de ouvir muitas opiniões e muitos surtos decidi que a vida é muito curta e a fila de leitura é muito grande para ficar insistindo em livro que não gostei.
    Mesmo assim, não tenho nada contra quem curte o livro - porém tenho várias coisas contra esse povo que vem para cima tirando o meu direito de não gostar e me julgando por isso.
    Eu não entendo essa coisa toda de surtar por um personagem e defendê-lo como se fosse seu... Não que eu nunca tenha feito algo do tipo, mas sempre como brincadeira, para se divertir. Qualquer coisa diferente disso, acho que a pessoa tem problemas...

    Agora, vamos combinar... Não estou cansada do gênero e dessa febre, mas me cansa profundamente que as editoras tenham essa necessidade de ficar comparando todos com 50 tons. Será que a equipe de marketing está tão preguiçosa para pensar em como vender o livro que basta por um selo se referindo a 50 tons?

    Eu nem sei se meu comentário ficou coerente....rs

    Beijinhos

    ResponderExcluir
  11. Eu li não vou negar que gostei ... mas sei diferenciar um livro com começo, meio e fim bem elabora e principalmente ficção da realidade!!!

    Como disse em um dos nosso últimos papos tem muito livro hot bom sendo lançado agora, só que está perdendo a chance de se destacar por causa dessa febre causada pela trilogia...


    P.S: ADORO os comentários da Paros <3 hauahauua

    ResponderExcluir
  12. Vou dizer que sou uma fã assumida dos Grey, Cross e Noble(s) da vida. Eles são bizarros sim, cheios de lek lek, mas são assim porque podem.
    Quanto às mocinhas dos respecticos mocinhos, sem essa de que tô morrendo de inveja, acabam se tornando umas chatas-metidas-a-puritanas-de-galocha porque elas são comuns, gente como a gente. Isso dá nos nervos. Quer dizer que se/quando eu encontrar um gostosão rico, eu devo me estabacar no chão e fazer cara de virgem? Pô!! Sem essa!!

    Concordo que o que acaba fazendo a gente enjoar de tipos como Mr. Grey é a enxurrada editorial com o mesmo tema. O mercado aproveita que um determinado tema começa a fazer sucesso, e a gente é afogada com títulos e capas parecidos. Quem não lembra da onde Hary Potter e Vampiros?

    Também sou xonadíssima por um romance histórico e continuo achando que nasci na época errada. Mas nascimentos equivocados à parte, o que nós, mulheres, realmente gostamos é de um homem com pegada. Não importa o século, não importa o tamanho da riqueza, queremos um homem que nos veja e somente a nós. Sem essa de passar por outra e dar aquele velha olhada de soslaio pra reparar a bunda da dita cuja.
    50 Tons, Cross, Noble... Não importa. Tudo demais, enjoa.

    E, garçon, traz mais uma dose que na verdade eu tô nessa mesa de bar esperando o próximo da diva Ward!

    ResponderExcluir
  13. Vixi, brigar por causa de homem de papel é o cúmulo de carência. É falta de um de verdade.
    Quando comecei a ler o primeiro, achei interessante, apesar da mala da Anastácia. O segundo fui empurrando com a barriga. O terceiro foi leitura dinâmica msm.
    Gostei do último capítulo, pela visão do Grey.
    Tenho problemas em ler sobre homens grudentos e possessivos. Me irrita.
    Adoro livro hot, mas que gosto msm é de um bom romance.

    ResponderExcluir
  14. Não adianta, esse livro não me pegou.
    Eu o achei bobo, superficial e mal escrito. Pena que as editoras não sabem aproveitar essa onda de livros mais adultos para publicar uns bons históricos ou uns suspenses romanticos de primeira...

    Bjks

    ResponderExcluir
  15. Eu li os dois primeiros livros e gostei como leitura de entretenimento, mas é só isso. Até hoje não entendo porque tanta surtação com este livro. A única coisa que se salva e que leva toda a trilogia nas costas, é o personagem Christian Gray, que apesar de problemático, meio maluco, é gostoso pacas e tem aquilo que nós mulheres gostamos PEGADA!!! Fora isso, o livro é mal escrito sim, e a razão de sua ótima vendagem foi o puta marketing que teve e claro as fãs apaixonadas de Crepúsculo. Para quem como eu,que já li vários livros de Maya Banks, muitos da Elora's Cave, esta trilogia é fraca e nem chega aos pés destes outros livros. Ainda tenho que ler o terceiro para fechar o ciclo, pois não gosto de deixar nada sem terminar. Espero que a autor pelo menos feche bem a trilogia.
    Quanto a surtar e se ofender, brigar, terminar com amizades, por causa de personagens, acho mesmo uma coisa louca e sem propósito, não consigo entender estas coisas. Tenho vários personagens pelos quais sou apaixonada, mas nunca me aborreci com ninguém, por nenhum deles e com certeza nunca irei... Adorei ler o seu ponto de vista. Parabéns pela resenha, bjus
    Lia Christo
    www.docesletras.com.br

    ResponderExcluir
  16. Oii!!! Bem lá vamos nós, mais uma vez falando de 50 tons, Aff esse Trilogia já deu o que falar em vários Blogs e sacudiu a Blogsfera quase criando um racha ou será que criou ?!?! KKK Bem é óbvio que eu li e gostei com as minhas ressalvas é claro afinal não há o que contestar quanto a escrita rasa e repetitiva da EL James . Entretanto como escrevi na minha resenha que ainda nem postei ainda ... rsrs

    Nunca falamos tanto a palavra consensual para justificar o amor entre duas pessoas rsrs E isso me deixava muito irritada algumas vezes. Mas nem esses momentos e nem as criticas me fizeram desistir. E o que eu li e no que eu me segurei de verdade foi ao lado psicológico de duas pessoas que se apaixonaram e que lutaram contra as diferenças, traumas,tabus e seus próprios medos para que pudessem se amar com plenitude.


    Elimar,
    Adorei sua resenha expor a opinião sem crucificar os fãs é muito respeitoso da sua parte. Pois o que eu vi de pessoas perdendo o eixo e esquecendo da liberdade de escolhas das pessoas ?!?! Aff de dar nojo !!! É claro que temos as fãs que se excedem , afinal se não tivéssemos como ia ser?!?! Sem graça e sem fervor !! Afinal nós todas, fãs de todos os estilos: moderadas, tímidas, exageradas, desesperadas e sem noção kkkk Fazemos o mercado movimentar e a Blogsfera Literária esquentar!!!!

    ResponderExcluir
  17. Como você deve saber, até hoje as princesas fazem sucesso, sabe porquê? Não, eu te explico, é simples, a garota pobre e maltratada ou maltratada, injutiçada e sem passado ou tudo junto conhece o cara MARAVILHOSO, que na era medieval( quando surgiram essas histórias era o herdeiro de um trono), rico, bem vestido, aparecia do nada resgatava a mocinha de sua vida de sofrimento, casava com ela e era feliz para sempre. Isso vem semeando a mente feminina de sonhos a pelo menos 300 anos.
    Ai, hoje amulher é independente, forte e etc, mas ainda vive no sonho encantado de amor eterno e etc. Vamos fazer uma comparação simples:
    Bela é a moça pobre, leitora voraz que após passar por um problema acaba nas mãos da Fera, um principe malvado e amaldiçoado por seu passado que precisa encontrar o amor verdadeiro para ter redenção, tem o gaston que "ama" a Bela e quer tira-la da fera, temos uma trama a fera muda os habitos groceiros, se recupara e eles vivem feliz para sempre.
    Ana é a moça pobre, leitora voraz que após passar por um problema acaba nas mãos do Sr Grey, um CEO egocentrico e amaldiçoado por seu passado que precisa encontrar o amor para ter sua redenção, tem o josé que "ama" Ana e quer ela para si e não com Sr Grey, temos uma trama Sr Grey muda de habitos, se recupera e eles vivem felizes para sempre.
    Será que eu contei a mesma história? Será que 50 Tons de cinza não é apenas um conto de fada para adultas onde Ana é a pobre moça que vira princesa. Essa formula vem dando certo a tanto tempo que nós nos envolvemos e nem notamos que estamos falando de um conto de fadas com sexo.
    Eu li e gostei de 50 tons, assim como amo A bela e a fera, não sou fanática, mas nesse mundo sempre temos as pessoas que levam tudo para o pessoal.
    beijos
    Susana
    http://ladyweiss.blogspot.com

    ResponderExcluir
  18. Oi Amiga, eu to como vc estava, protelando ao máximo para ler este livro..
    Adorei a resenha sincera ^^

    beijos mila

    ResponderExcluir
  19. Adorei Elimar,acho que gosto é muito pessoal e eu não devo e não vou julgar a outra por seus gostos...

    Amo a trilogia,mas por meus motivos e acho que temos que ter bom senso em tudo na vida,para defender e principalmente para falar mal,mas infelizmente não é isso que a gente vê,vocês expôs seus motivos para não gostar,mas foi respeitosa nas suas críticas,essa coisa das pseudo-intelectuais que falam mal como se fossem as donas da verdade absoluta,acho que fazem isso para aparecer,está na moda também,como os romances eróticos,meter o malho em tudo com um ar de superior para ficar "famosa" e ainda sair de inteligente...DETESTO esse tipo de gente.. mas enfim...

    Gosto dessa onde de eróticos,não de todos,mas também amooo um romance fofo,histórico assim como os que você escreveu no post...

    Viva a diversidade e a liberdade de gostar do que eu quiser!!!

    bjsss

    Bianca

    http://www.apaixonadasporlivros.com.br/

    ResponderExcluir
  20. Oi Elimar!! Eu faço parte da minoria que não curtiu o livro. Achei a Ana uma chata sem fim e não gostei da abordagem da autora sobre o tema BMDS, como se apenas pessoas com algum tipo de trauma pudessem curtir essa pratica.
    Ao meu ver a única coisa realmente positiva sobre o livro foi o fato de ter aberto o mercado nacional para os livros eróticos. bjs

    ResponderExcluir
  21. Oi, Elimar!!! Conheci seu blog com os seus alunos 7º ano, da escola "vc sabe qual", e lemos sua resenha de 50 tons!!! Ficou um máximo, vc é ótima. Abraço!

    ResponderExcluir

Faço parte das...

Google+ Followers

Networkedblogs

Views

HOTWords