[2ª Semana Nacional #2] O Véu: Luis Eduardo Matta!


Sinopse:

Araci Quintanilha, é a proprietária da Casa Quintanilha de Leilões, no Rio de Janeiro, que vive dias de expectativa com a aproximação do leilão onde uma misteriosa tela a óleo, chamada ‘O Véu’, será posta à venda. O quadro que foi condenado por várias lideranças muçulmanas em todo o mundo por retratar uma mulher seminua usando o véu islâmico, tem uma trajetória marcada pelo sucesso, pela polêmica, pela intriga e pela tragédia. Diversas pessoas morreram por sua causa - inclusive o próprio pintor, Lourenço Monte Mor, vitimado por um incêndio em sua casa, jamais esclarecido. Obscuros segredos do passado ligam o quadro ao assassinato, em 2005 na Arábia Saudita, de Abu al-Horiah, o líder da Azadi, uma organização extremista iraniana responsável por inúmeros atentados terroristas nas décadas de 1980 e 1990. Tudo levava a crer que a morte de Abu al-Horiah e de seu filho Arsalan, tido como seu sucessor, sepultara de vez a Azadi, mas, tempos mais tarde, começaram a circular rumores de que a organização estaria se rearticulando sob o comando de uma nova líder, conhecida como Umm al-Hakika. Os rumores sobre a ressurreição da Azadi coincidem com a chegada ao Brasil de Mohsen Khajepour, um conceituado intelectual iraniano radicado na Suíça, que acaba assassinado em circunstâncias misteriosas, às vésperas das eleições presidenciais iranianas de 2009. Durante anos acreditou-se que ‘O Véu’ tivesse sido destruído no incêndio que matou Lourenço Monte Mor, mas ele estivera, todo esse tempo, escondido no apartamento de Araci Quintanilha. Quando o seu leilão é anunciado e a opinião pública toma conhecimento de que a polêmica obra sobrevivera, Araci, subitamente, se vê arrastada para um redemoinho vertiginoso de acontecimentos perturbadores onde sua própria segurança é colocada em risco. Ameaçada por terroristas, ela é obrigada a fugir, sem perceber que uma conspiração de proporções gigantescas está em curso. E que o misterioso quadro, que guardara consigo durante anos, esconde um terrível e fantástico segredo, que poderá mudar tragicamente a geopolítica do mundo. Nesse thriller eletrizante e envolvente em que os bastidores do rico mercado de arte se mesclam às entranhas sórdidas da turbulenta política do Irã, os destinos de três mulheres se cruzam na busca pela verdade e pela liberdade.

Comentários:

Mais um livro nacional de tirar o fôlego. Apesar de já ter encontrado o autor em alguns encontros do Skoob aqui no Rio de Janeiro, ainda não tinha tido a oportunidade de ler nada que ele havia escrito. Agora percebo o tamanho de minha heresia. Até o momento, não sei qual é a formação do Luís Eduardo, mas fiquei me perguntando de onde vem tanto talento e habilidade para escrever. Ele nasceu para fazer isso. Não acredito que ninguém fora do Brasil ainda não tenha percebido o tamanho do  potencial desse escritor brasileiro, que possui uma personalidade discreta, inteligente e modesta, por que nesses encontros de leitores, ele se mostra apenas um leitor e debatedor entusiasmado, não levantando suspeitas de seu talento nato para a literatura. Nossa... Que introdução é essa? Pois é gente. Tive que compartilhar as minhas impressões mais do que pessoais para falar desse livro. Tive que fazer uma volta, falando do escritor para tentar encontrar as palavras certas para que vocês possam compreender o tamanho da obra de Luís Eduardo Matta, e de como o livro dele vai mexer com você, que resolver dar uma chance ao seu trabalho. Li algumas resenhas de livros nacionais onde as blogueiras usavam a expressão "diamante bruto", ao se referir ao trabalho de algum escritor, que ainda precisava melhorar em alguns pontos. Bem, fazendo uso de uma metáfora parecida, Luís Eduardo Matta é o diamante lapitado. Mais do que isso, é o Diamante em seu estado mais brilhante e precioso. 
Para os fãs do estilo policial, a trama de "O Véu" consegue fazer algo dificílimo: elevar a categoria a um patamar impossível de ser alcançado. Se você é fã de Dan Brown (assim como eu), vai ficar alucinado por esse livro. Não vou repetir as informações da sinopse, como também não quero entregar nada do livro para vocês, por que, se eu me surpreendi, você também o serão, mas vou tentar, com todo cuidado que não me é peculiar (rs), soltar algumas informações para aguçar ainda mais a vontade de ler esse livro. A trama gira em torno de um quadro, que leva o nome do obra: O Véu. Várias são as estórias que giram em torno desse quadro, que levou a fama de amaldiçoado, já que todas as pessoas que tiveram contato direto com ele, acabaram morrendo. Entre os mortos, está o próprio pintor da obra, Loureço Mont Mor, que fora vitimado em um incêndio; incêndio esse onde as pessoas acreditavam que o quadro havia sido destruído. Porém, o pai de Lourenço, Aníbal Mont Morr havia retirado o quadro da casa, e agora gostaria de expor o trabalho de seu filho numa grande Casa de Leilão, pertencente a Araci Quintanilha, a dona da Casa Quintanilha, onde grandes obras de arte já haviam sido leiloadas outrora.  Ao aceitar a proposta de Aníbal, Araci e seu marido Bartô acabam sendo perseguidos por um grupo terrorista chamado Azadi, e cada passo dado por esse casal os leva mais próximos da morte. O livro tem 525 páginas e a sensação que se tem é que se a gente largar o livro por um instante que seja, você vai perder o fim da meada, e vai deixar passar um detalhe muito importante que te ajudará a desvendar o mistério do livro. Se eu recomendo? O que vocês acham?


Elimar

9 comentários:

  1. Parabéns pela resenha Elimar! Já li O Véu (assim como outras duas obras do autor, 120 Horas e As Bem Resolvidas) e curti bastante. Concordo com você, Luis Eduardo Matta é um diamante lapidado! Beijo!

    ResponderExcluir
  2. Que dica de livro ótima Elimar. A Primavera editorial, está relando uma caixinhas de surpresa. Vou tentar conferir este.Valeu

    ResponderExcluir
  3. Não conhecia o autor e nem a obra! Gostei bastante da resenha. Gosto bastante do tema abordado e parece ser uma excelente história!

    ResponderExcluir
  4. Uma ótima resenha. Empolgante e que nos deixa com uma grande vontade de conferir todo este talento.
    Eu ainda não tinha ouvido falar do autor e muito menos do livro. Mas, já anotei sua dica e quem sabe uma hora dessas dou uma chance a esta leitura?
    Lia Christo
    www.docesletras.com.br

    ResponderExcluir
  5. Que resenha maravilhosa, Elimar. A capa por si só ja chamou minha tenção, ela é instigante. Essa sua seman de nacional, acaba com nossos bolsos, dá vontade de sair e comprar logo e ler. bjs
    Eykler

    www.aghridoce.blogspot.com.br

    ResponderExcluir
  6. Nossa amiga amei a resenha, deu pra ver que vc gostou muito do livro hein
    e puxa só pelo título do livro eu já fiquei doida para ler, porque adoro livros que abordam esse tema e vc ainda falou do Dan B.
    Agora que eu quero ler mesmo..
    Beijos Mila

    ResponderExcluir
  7. Vou confessar que já conhecia o livro,mas a capa tinha feito com que eu não tivesse vontade de ler,percebi que estou totalmente errada em relação a narrativa.

    vou apostar,valeu pela dica.

    ResponderExcluir
  8. Nossa que livro, que historia.
    Gostei muito de ler a resenha e conhecer
    mas sobre a obra. Adorei
    bjs

    ResponderExcluir
  9. Adoro policiais, quero dizer gêneros policiais, é a minha nova febre literária, vou adicionar no meu skooby-doo.

    ResponderExcluir

Faço parte das...

Google+ Followers

Networkedblogs

Views

HOTWords