[Resenha] Deusa da Luz: P.C. Cast


Sinopse:

Um romance encantador, em tons dourados, entre um deus e uma humana. Cansada de encontros com egocêntricos, a designer de interiores, Pamela Gray, está quase desistindo dos homens. Ela quer ser tratada como uma deusa – preferencialmente por um deus. Quando exprime seu desejo, inconscientemente, invoca a deusa Ártemis, que possui alguns truques em sua manga celestial... Os gêmeos Ártemis e Apollo foram enviados para o Reino de Las Vegas para testar suas habilidades. A primeira missão deles é realizar o desejo de Pamela. Então Ártemis faz de seu irmão dourado o voluntário. Afinal, quem seria melhor do que o lindo Deus da Luz para levar amor para essa mulher solitária? Deveria ser uma experiência, mas na Cidade do Pecado, onde a vida é um risco, tanto deus quanto mortal estão prestes a apostar um alto preço no jogo do amor. Arrisque-se, você só vive uma vez. Ou não é? 

Comentários:

Sou fã da P.C. Cast. Só por aí muitos podem achar que rasgarei seda pelo seu trabalho, sem fazer qualquer crítica ao que li. Não rola. Confesso que criticar o trabalho dela me corta o coração, mas é impossível não fazê-lo. Não pensem que eu não curti Deusa da Luz, porque não é isso. Mas sabe quando você lê um livro e conhece determinado personagem e fica louca por ele? Foi assim em Deusa da Primavera, quando eu conheci Apolo. Cínico, convencido, arrogante... Apolo tinha todos os elementos que fariam dele um adorável canalha, daqueles que a gente torce a todo momento, e rimos com sua cara de pau. O problema é que ele mudou nesse livro. E mudou para pior, devo dizer. Ao presenciar Hades, o Deus do Submundo, encontrar sua alma gêmea entre os humanos (a doce e meiga confeiteira Lina), Apolo fica com a pulga atrás da orelha, afinal, a mulher nem tinha dado bola para o seu charme irresistível, e tinha preferido o Deus sério e Taciturno ao invés dele. Deprimido (?), ele é convencido por sua irmã, a Deusa Artémis, que novos ares poderiam fazer bem para esse marasmo ao qual ele se encontrava. Eis que Zeus resolve fazer com que eles deem uma visitinha a Las Vegas, uma área dominada agora por Baco, um Deus frívolo e arrogante, que fica possesso em receber esse bando de deuses desocupados. O medo de Baco é perder terreno para a beleza e charme dos outros deuses, principalmente dos irmãos, já que ele não era nem tão bonito e nem tão carismático como eles. Tudo bem que Artemis era uma mala sem alça que detestava os humanos, mas ao longo do livro ela vai aprendendo a lição, e passa a ver a vida sob olhos mais humanos. Já em Vegas, graças a manipulação de Baco, os irmãos se veem ligados a uma jovem mulher muito charmosa, que possuía algumas inseguranças em relação ao amor. Pamela não sabia, mas seu destino havia se cruzado ao de Apolo naquele momento, e ambos descobririam o que o verdadeiro amor significava. O romance dos dois é mega fofo, apesar de algumas dúvidas que Pamela tem, por causa de seu histórico anterior, mas Apolo vai derrubando as suas defesas uma a uma, conseguindo fazer com ela admitisse seus sentimentos por ele. As cenas de amor entre ambos são lindas e quentes, na medida certa, mas faltou aquele "tchã" sabe? Nem sei dizer para vocês o que é, mas de modo geral, achei o romance de Apolo e Pamela morno. Alguns dirão que os romances dessa série são mornos e que eu só passei a perceber isso agora, mas a "pegada" de P.C. Cast é realmente o romance e o amor que surge na trama. Tudo bem que não é nada extraordinário, mas se o romance mulherzinha não é o seu gênero, passe longe desse livro. Mas se você, assim como eu, gosta de um romance fofo para passar o tempo, pode ler sem susto, porque é uma graça. Só não é sensacional!

Elimar Souza

Um comentário:

  1. O último que i da autora foi Deusa de Troia que adorei, agora quero ler esse Deusa da Luz ;)
    Bjs
    http://eternamente-princesa.blogspot.com.br/

    ResponderExcluir

Faço parte das...

Google+ Followers

Networkedblogs

Views

HOTWords