[Resenha] A Transformação de Raven: Sylvain Reynard / Noites em Florença#1


Sinopse:

A transformação de Raven - Florença, o berço do Renascimento. Um lugar culturalmente fervilhante, perfeito para quem quer esconder segredos ou está em busca de uma segunda chance. Como a doce Raven, que se muda para a cidade na tentativa de esquecer os traumas do passado e se dedicar à sua maior paixão: a restauração de pinturas renascentistas.

Um dia, voltando para casa do trabalho na Galleria degli Uffizi, sua vida muda para sempre. Ao tentar evitar o espancamento de um sem-teto, Raven é atacada. Sua morte parece iminente, mas seus agressores são impedidos e brutalmente assassinados. Assustada e prestes a perder os sentidos, ela só consegue vislumbrar uma figura sombria que sussurra: Cassita vulneratus.

Ao despertar, Raven faz duas descobertas perturbadoras: uma semana se passou desde o ocorrido e ela se transformou por completo. Quando volta ao trabalho, mais uma surpresa: alguém conseguiu burlar o sofisticado sistema de segurança da galeria e roubar a inestimável coleção de ilustrações de Botticelli sobre A divina comédia.

Em busca da verdade, Raven cairá diretamente nos braços do Príncipe de Florença – tão belo quanto poderoso, tão sedutor quanto maligno –, que lhe apresentará um submundo de seres perigosos e vingativos, cujas leis ela precisa aprender depressa se quiser se manter viva e salvar os que a cercam.

A transformação de Raven marca o início da série Noites em Florença, cujos personagens foram apresentados em O príncipe das sombras.

Comentários:

Com certa apreensão. Foi assim que iniciei minha leitura de "A Transformação de Raven", novo livro do escritor (ou escritora) Sylvain Reynard. Para mim que gosto da Trilogia de Gabriel (livros ora amados, ora odiados por vários leitoras brasileiras), fiquei seriamente preocupada com a possibilidade de Sylvain perder a mão nessa história. Apesar das críticas feitas ao seu trabalho anterior, havia uma fluidez na trama que fazia com que a leitura passasse bem rápida, algo que me agrada bastante em seu trabalho. Quando descobri que esse livro teriam o elemento sobrenatural como gatilho, logo pensei "não vai dar certo". Para mim, o dom de Sylvain residia na ideia de que é possível escrever um romance sensual agregado a uma boa narrativa, que mesmo sendo "cansativa" para alguns, tem muitos ganchos e conteúdo, fazendo com que outros interesses surjam ao longo da história (arte é a principal delas). Como agora Sylvain resolver se enredar para o mundo do fantástico, fiquei imaginando que essa nova viagem poderia fazer com ele (ou ela) perdesse a mão. Não foi o que aconteceu. Reconhecendo a escrita do autor, pode-se perceber um certo amadurecimento em sua obra, ao dosar bem o conflito de sentimentos de seus protagonistas, ambos muito bem construídos. Enquanto "O Príncipe" é um vilão que não busca nem redenção e nem perdão pelos seus pecados, Raven é alguém que busca a paz. Enquanto o primeiro busca vingança para os atos até mesmo insignificantes, Raven só quer esquecer para poder seguir adiante. Mas os dois carregam consigo as marcas do passado, e são constantemente lembrados de tudo o que aconteceu. Ao aproximar os dois, Sylvain mais uma vez trás o clichê do amor improvável e impossível, onde o mocinho, acreditando ser incapaz de amar, se arrisca enormemente para salvar aquela que ele crê só sentir afeto. A mocinha é alguém que se fez invisível, mas que quer ser notada e amada, mesmo com sua deficiência e aparência fora dos padrões. Willian vê em Raven alguém diferente das pessoas as quais está habituada. Alguém que se arrisca, mesmo diante da morte e do fim. Ao tornar Raven a sua "Cassita Vulneratus, "o Príncipe" passa a protegê-la de tudo e de todos, mas não consegue protegê-la dele mesmo, que a quer de todas as formas possíveis. Ela, descrente que um homem tão bonito e perfeito a tenha notado, dá passos incertos ao encontro dele, imaginando se aquilo que ele oferece pode ser suficiente para ela.
Ao tratar questões difíceis e, infelizmente, presentes em nossa realidade, Sylvain mostra que a culpa pode nos prender, mas que o perdão é a verdadeira saída para a liberdade. Para mim, o livro não só valeu a pena, como entrou para a minha lista de favoritos. Minha única crítica vai para o fato de não sabermos porque "o Príncipe" é tão diferente (só lendo para entender). Espero poder desvendar esse mistério no próximo livro.

Clique aqui e adicione "A Transformação de Raven" a sua estante do Skoob!

Beijos!

Elimar Souza

Um comentário:

  1. Oi Elimar
    estou bem curiosa para ler este livro. Não vejo a hora de ter o meu em mãos. Adorei sua resenha.

    Bjos

    http://historiasexistemparaseremcontadas.blogspot.com.br/

    ResponderExcluir

Faço parte das...

Google+ Followers

Networkedblogs

Views

HOTWords